TOPO
Editorial

Editorial: Não é o padre, não é o taxista, é o povo cansado de promessa e acordando

Populares já não aguentam mais esperar pelo poder público e decidem agir.

14/06/2019 18h16
Por: Redação
280
Toy - Agencia Eric
Toy - Agencia Eric

Em Boa Viagem as coisas tem ficado sem sentido, é padre, é mototaxista é antes de tudo cidadãos que independente da função ou cargo que ocupem diante da sociedade já não aguentam mais esperar pelo poder público. 

De um lado, o poder constituinte, do político eleito para representar o povo, o executivo nem se fala - executa as tarefas de interesse público, o básico dos básicos: recolher lixo, manter a cidade limpa, pagar o funcionalismo, dar a manutenção devida em vias públicas, zelar e manter o patrimônio é um das tarefas de qualquer prefeito, já o legislador, criar leis, fiscalizar e cobrar do executivo as ações em nome do povo. 

Os últimos acontecimentos em Boa Viagem trás á tona a insatisfação popular diante do governo de Aline Vieira, uma verdadeira minoria - maior parte de correligionários partidários se dizem satisfeitos, em 2 anos e meio, poucas ou até mesmo nenhuma obra com recursos próprios foram feitas, uma simples rua, nem isso. 

Aline chegou ao poder com a maior votação da história, e poderá entrar para a história sem sua tão sonhada reeleição, se é que é sonho, uma vez que a gestora não demonstra ir para a disputa, até 2020 tem muita água pra rolar, todavia, os anos de poder é quem traça o seu destino, Aline tem uma dificuldade que intriga a muitos, porque ta difícil governar? 

Pelas ruas, reclamações, cobranças, e revolta que por muitas vezes terminam com ações do próprio cidadão que paga para que o poder público faça por eles, é estradas sendo construídas pelos próprios agricultores, reparos em ruas esburacadas, que para muitos parecem um gesto de cidadania, para outros é uma vergonha.

O cidadão já é sugado pela máquina pública, com impostos, paga o ar condicionado do gabinete do prefeito, o combustível, tudo que tira um extra do bolso do cidadão por ''extrema necessidade'' é imoral, é preciso que as autoridades, em especial a secretaria de obras olhe com bons olhos para com o povo que clama, reclama, que parte pra cima, este povo é o mesmo que tira, que coloca e acima de tudo que manda.

Até isso acontecer, quantos padres, mototaxistas, joão, José, maria ou pedro terão que agir para chamar a atenção por uma causa simples, resolver?

 

EDITORIAL 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários