Segunda, 12 de novembro de 2018
88 9 9688 9654

35º

Min 22º Max 35º

Muito nublado

Boa Viagem - CE

às 15:45
Política

06/09/2018 às 13h47

152

Redação

Boa Viagem / CE

Alckmin recua e diz que vai retirar pedido de censura a pesquisa Datafolha
O levantamento Datafolha foi registrado no tribunal na terça-feira (4) para ser realizado e divulgado na próxima segunda-feira (10)
Alckmin recua e diz que vai retirar pedido de censura a pesquisa Datafolha
Divulgação

O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) disse que não foi consultado pelo advogado do PSDB antes que fosse protocolada ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar censurar a divulgação da pesquisa eleitoral nacional do Datafolha. O tucano ainda afirmou que já pediu para que a ação seja retirada. "O advogado acabou entrando [com a ação] sem me consultar, li hoje pelo jornal e liguei e já mandei retirar. Ele justificou que na realidade consultou a área de coordenação da campanha e achou que era suficiente", afirmou o tucano após a sabatina Estadão-Faap.


O levantamento Datafolha foi registrado no tribunal na terça-feira (4) para ser realizado e divulgado na próxima segunda-feira (10). Os advogados da coligação da candidatura de Alckmin, "Para unir o Brasil", argumentam na ação registrada nesta quarta-feira (5) que a pesquisa não pode ser publicada porque substituiu no questionário o nome de Luiz Inácio Lula da Silva pelo de Fernando Haddad, vice na chapa do PT à Presidência da República.


"E qual a justificativa [do advogado]? No fundo você está confundindo o eleitor. Você confunde o eleitor, de um lado, e de outro lado está protegendo o Haddad, que não vai em entrevista, sabatina, televisão", resumiu Alckmin nesta quinta (6).


A candidatura de Lula ao Palácio do Planalto foi barrada pelos ministros da corte eleitoral, por 6 a 1, na madrugada do último sábado (1º) com base na Lei da Ficha Limpa em razão de ele ter condenação em segunda instância pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O ex-presidente está preso desde abril, em Curitiba.


O advogado da Folha de S.Paulo, Luís Francisco Carvalho Filho, criticou a ação dos advogados do ex-governador paulista. "Ao impugnar a pesquisa, o candidato Geraldo Alckmin revela seu lado obscurantista. Maneja o recurso indecente da censura para trazer desinformação ao processo político", afirmou.


A decisão do TSE contra Lula estabeleceu que o PT pode substitui-lo até o dia 11 -Haddad é o favorito para assumir seu posto de candidato à Presidência da República.


Segundo os advogados de Alckmin, na ação, "tem-se que ainda não existe pedido de registro de candidatura à Presidência da República pela Coligação Brasil Feliz, sendo certo, ainda, que Fernando Haddad não é candidato ao cargo titular, visto que está registrado como candidato a vice-presidente". 


"A pesquisa em apreço não retrata o quadro eleitoral do momento em que está sendo realizada e do momento em que seu questionário é submetido ao registro", diz o pedido ao TSE.


A defesa do candidato do PSDB pede ainda que o Datafolha "seja proibido de divulgar a pesquisa eleitoral ora impugnada até solução definitiva do presente incidente de impugnação de pedido de registro".


"Se o PT quer estar na pesquisa, tem que ter candidato", disse nesta quarta-feira (5) à Folha o advogado Ricardo Penteado, um dos que representam a coligação de Alckmin no TSE.


O Datafolha cancelou registro de pesquisa eleitoral nacional que seria realizada de 4 a 6 de setembro devido à decisão do TSE que rejeitou o registro de candidato de Lula. O registro da pesquisa para presidente da República, de código BR-02553/2018, havia sido feito na sexta-feira (31), antes do término da votação do TSE que vetou a candidatura de Lula, na madrugada de sábado (1º). 


Como o questionário contemplava cenário com o nome do candidato impedido, o instituto decidiu não aplicá-lo e realizar um novo registro para divulgar os resultados no dia 10.

FONTE: Folhapress

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium